sábado, maio 20, 2006

QUEIJINHOS FRESCOS

A pedido da menina Amélia














Lá estava o Vitorino...volteando o enorme cajado por cima da cabeça,assobiando ordens aos cães,que as cumpriam com obediente celeridade,ora correndo em volta das ovelhas juntando-as numa estridente mistura de latidos e balidos,ora perseguindo e trazendo de volta,alguma mais teimosa que insistia em procurar alguma figueira de folhas tenras e apetitosas.Por cima,um bando de negras andorinhas que evoluíam em graciosas e acrobáticas piruetas,rasando a lã dos animais com uma agilidade surpreendente,só possível em aves deste porte.Explicou-me o pastor,que os animais quando se movimentam no pasto,fazem levantar pequenos insectos(invisíveis para mim)de que as aves se alimentam em pleno voo.Olhando mais atentamente,reparei nos bruscos movimentos que estas efectuavam com a cabeça,para capturar os insectos.
Mesmo junto a nós, imensas cardeiras de cuja flor se extraem os estames(penso que é assim que se diz),que depois de secos servem para coalhar o leite afim de fazer queijo.Era isto que me interessava...os queijos.
Era quase"sol-posto",quando finalmente,depois de uma demorada caminhada entre reluzentes e floridas estevas,cheguei ao "monte"onde habitavam,o Vitorino e a mulher.Ela já tinha fervido o leite,produto da ordenha desse dia(é pra matar os micróbios!dizia-me.O gado tá vacinado,mas isto...nunca se sabe!).Só retiram o leite às ovelhas cujas crias já foram vendidas e,que sem filhotes que as mamem,têm de ser ordenhadas.
De véspera,numa tijela,tinha misturado flor de cardo com água.Agora,coou este líquido através de um pano limpo,espremendo este muito bem com o cardo no interior,afim de extrair totalmente o liquído aí contido,depois juntou-o com o leite já morno e mexeu muito bem com uma colher de pau.Passado algum tempo,(cerca de uma hora),espremeu a coalhada com as mãos,e com uma colher ía retirando o líquido que se formava à superfície,depois"esfarelou",também com as mãos,a coalhada,"é pró quejo ficar mai fino"dizia-me.Depois começou a encher os cinchos calcando a massa com a palma da mão.Após estarem bem cheios alinhou-os muito certinhos numa esteira de cana e depositou-a em cima de uma prateleira,num canto da enorme e fumarenta cozinha.Todos os dias voltará os queijinhos,para que sequem por igual e fiquem bem curadinhos.

Minha mãe,frequentemente faz queijos frescos de leite de vaca.Deu-me a receita,eu fiz e vou reproduzir aqui para vocês:
Comprei dois pacotes de leite gordo,do DIA.Muita atenção,porque tem que ser leite do dia,daquele especial e que tem um prazo de validade muito limitado.O que comprei era Vigor(passe a publicidade).Amornei o leite,se tiverem um termómetro controlem a temperatura e quando atingir os 35 ou 40 graus apaguem o lume.Nunca deve ferver,NUNCA!dissolvi uma pitada de COALHO que comprei na farmácia(pela foto onde se vê o coalho dentro de uma colher de café,podem avaliar a quantidade para os dois litros),num pouquinho de água fria e misturei com o leite,juntei sal e mexi muito bem.Cerca de 40 minutos mais tarde o leite estava coagulado.Passei por um pano bem lavado afim de libertar o queijo da maior parte do líquido(soro) e meti dentro das formas(que improvisei,cortando um pedaço de tubo plástico e uma embalagem de sal vazia)quando comprar queijos pode reaproveitar as forminhas.Quanto mais pressionar o queijo dentro dos moldes,mais duros e compactos estes ficarão.E pronto!não me estou a lembrar de mais nada,apenas vos digo que são deliciosos estes queijinhos.Se não sair bem da primeira vez,tente até que apanhe o jeito.

Na foto das ovelhas,a planta que se encontra em primeiro plano é um cardo,a parte "lilás"é a flor que contém um enzima que provoca a coagulação do leite.
Na primeira foto são visiveis pelo menos três andorinhas,duas recortadas contra o céu,e uma na moita da esquerda.

26 comentários:

Tareca disse...

Abençoada menina Amélia que "pedinchou" tal receita.
Mas oh Mestre, na querendo abusar da sua boa vontade ... isso dá assim pra quantos queijitos, tendo como comparação aqueles pequerruchos que se compram por aí?
Agradecida!

EMN disse...

Até queijinho o mestre sabe fazer......

beijos ao mestre

emn***

kuka disse...

Tu também sabes emn,basta seguires a receita.Também nunca tinha feito,foi esta a primeira vez.

Tareca-dará talvez uns cinco daqueles médios.Experimenta que é muito fácil,a técnica está no modo de apertar a massa dentro dos moldes.Não esquecer o sal.

Paula disse...

Aventurei-me nessa experiência no ano passado e diverti-me muito.
Tenho uma colecção de "cinchos" em plástico que fui arranjando aqui e ali e que facilitam muito a tarefa.
Costumo fazer um único queijo, que normalmente nunca sobrevive para além do dia em que nasce, coitadito...

Amélia disse...

Obrigada Chef,
Assim até parece fácil.
Portanto o preparado da farmácia faz as vezes da cardeira...Hum!
Um destes dias vou experimentar.
Cumprimentos ao Sr. Vitorino, que pela descrição da tua experiência, parece que o conheço de algum lado (na versão cabras...)
Loool.

Sandra J. disse...

Ena, ena, receitas a pedido...
Humm, que tal arroz doce? É que eu não tenho jeitinho nenhum para fazer arroz doce e adoro. Claro que faço na mesma mas fica sempre muito seco, mesmo quando acho que estou a exagerar no leite.
Enfim, ainda me lembro de apanhar as flores dos cardos porque as achava bonita e a minha avó achar que eu era doida.
Bjs

Marie disse...

Quem não conseguir arranjar um agente que coalhe, junte 2 colheres de vinagre a 1 litro de leite morno;) Encontrei esta dica neste link:

http://sicprogramas.sapo.pt/sicprogramas/index.php?article=205&visual=9


Não sei se fica saboroso,mas vou experimentar fazer.

winky-pinkie disse...

Parece façilimo de fazer!!

Vou mesmo tentar.

Mas diz-me lá, arranjamos umas forminhas, que por exemplo pode ser umas garrafas de plástico direitas, mas depois o queijo tem que ficar a repousar e a ser esprimido em cima de uma rede durante quanto tempo?

x disse...

Cheguei até aqui por sugestão da Amélia :) Nunca fiz leite mas sei de cor a "receita" pois vivi em África e no sítio onde estava não havia queijo, manteiga nem iogurtes e o meu cozinheiro é que fazia isso tudo! A necessidade aguça o engenho, não é? ;)

Este blog é muito giro. Parabéns!

Inha disse...

Tu fazes tudo!...:D:D:D

E que quantidade de sal pomos para essas quantidades? Não tenho noção.

BeijInha

Luísa disse...

É a primeira vez que aqui venho (venho pela Amélia) e fiquei fã vou voltar mais vezes... Adorei a receita dos queijos vou experimentar ... A minha avó também fazia queijos com cardo e eram muito bons.
Até à próxima

kuka disse...

Pois é Paula!Só fazes um!LOL!Amélia-Quem sabe se o coelho da farmácia é das cardeiras?!Sandra-O arroz doce tem que ser retirado do lume antes de estar seco.Só com prática saberás o momento exacto.Marie-o vinagre ´coagula o leite e fazes queijo,só que tens de passar por água para retirar esse sabor ácido.Não fica tão bom como com o cardo.Winky-Depois de espremeres o queijo podes comer.Amor-Obrigado pela simpática visita.Inha-O sal pões instintivamente,como fazes para outras confecções alimentares,na primeira vez se ficar insosso,metes sal na altura em que fores comer.na segunda já meterás a quantidade certa.Obrigado Leda.

Elvira disse...

Vou te contar uma história engraçada, Kuka... Quando eu estava a trabalhar em Timor em 2000(num sector que nada tem a ver com comida), fiz queijo, farta que estava dos queijos de plástico australianos que se encontravam à venda por lá! Fresco e até curado. Tinha levado comigo de Portugal coalho, e o meu marido ía comprar o leite a 12 km de Díli(em Timor, significa 1h30 de jeep, pelo menos)a um padre que criava vacas. Os nossos queijos eram tão bons que até o próprio Xanana teve conhecimento e veio prová-los lá onde estavámos a alugar casa! Só que, contando o preço do leite (raro) por aquelas bandas e os transportes, ficava caríssimo o primeiro queijinho caseiro de Timor livre! Juro que esta história é verdadeira e que ficou uma das recordações mais engraçadas que guardo de lá! :-)

kuka disse...

Elvira.Vou contar isso ao Vitorino.Aposto que ele vai embarcar as ovelhas e os cães para Timor.O homem aqui,está sempre a queixar-se da falta de pastagens.Lá não faltam,e ao preço a que vendem o queijo...vem de lá rico.lol!

Paula disse...

Pois Kuka, só faço um, GRANDE, claro... Com 3 litros de leite.

Crymynoso Compulsyvo disse...

Olhó queijinho fresquinho. Fica.

Paula Nogueira disse...

Nao ha queijinho como o portugues... verdades sejam ditas!!!!

O Chaparro disse...

bom fim de semana, mestre kuka

kuka disse...

Paula,também não é preciso exagerar. Obrigado e igual para ti Chaparro.

Pluma(princesavirtual) disse...

Coonfesso que é coisa que não me vou aventurar a fazer :D mas gostei de ler o teu texto. beijos (recatados)

Anónimo disse...

mas.mas nas farmacias de Lisboa
ja nao vendem coalho!!!
Aonde???Aonde???

kuka disse...

Aqui na farmácia de Vila do Bispo,vendem coalho.E em qualquer farmácia,creio eu.Se não tiverem encomendam.

Mim disse...

Adoro queijo fresco.
Vou experimentar.
)

o avental disse...

Se ao queijo fresco, com pouco sal se adicionar por cima mel de flor de laranjeira, dá uma óptima sobremesa. Também não será nada mau para o calor fazer-se um gelado "salgado" de queijo fresco, à base de queijo, leite, natas frescas e um pouco de sal e cobri-lo com esse mel, no prato. O pior é o mel, mas em Ayamonte, quem lá vá, será fácil de arranjar.

Anónimo disse...

Super color scheme, I like it! Good job. Go on.
»

Anónimo disse...

I find some information here.